pista73.com

conteúdos de aviação comercial

Inicio

Manutenção Aeronáutica, Europa, Aeroportos

Aeroporto de Beja vai ter uma unidade de desmantelamento de aviões

«Jorge Ponce de Leão, presidente do conselho de administração da ANA-Aeroportos de Portugal garantiu nesta quarta-feira durante uma entrevista a José Gomes Ferreira no programa “Negócios da Semana”, na SIC Notícias, que o futuro da unidade aeroportuária de Beja não estará “necessariamente” associado ao tráfego de passageiros. Para complementar o negócio da aviação civil, que não é considerado prioritário, irá ali ser instalada uma empresa especializada em “desmantelamento de aviões”. As negociações estão “muito avançadas” para que a sua instalação se concretize “a curto prazo”, adiantou o presidente da empresa.
O investimento entretanto efectuado na construção do novo aeroporto “já não é um problema” para o contribuinte. Os cerca de 34 milhões de euros que custou a infra-estrutura, sem contar com os encargos já suportados com juros e manutenção do equipamento, “foi descontado no preço pago pela concessão” da ANA – Aeroportos de Portugal à empresa francesa Vinci, revelou Ponce de Leão. Uma auditoria do Tribunal de Contas realizada em 2010 ao Aeroporto Civil de Beja concluía que o empreendimento custaria “74 milhões de euros”.
O projecto dimensionado e apresentado para “promover o desenvolvimento da região” baseado em actividades ligadas ao transporte de passageiros e carga, à indústria aeronáutica (produtos semiacabados, de fabrico de componentes aeronáuticos ou de manutenção de aeronaves) e formação e logística foi contemplado com um parque de sucata. É um “negócio florescente”, fundamental para viabilizar uma infra-estrutura que “ainda apresenta resultados negativos”, reconhece o presidente da ANA, admitindo que o panorama será invertido com o negócio do desmantelamento de aeronaves.
A solução avançada por Ponce de Leão já tinha sido aflorada pela ANA no final de 2009. Naquele ano já se admitia que o Aeroporto do Alentejo iria ter “um arranque muito difícil”.
Como não eram conhecidos operadores interessados em utilizar o aeroporto, a ANA estabeleceu naquele ano que a primeira fase de utilização do novo equipamento passaria pelo parqueamento de aviões inactivos que ocupavam espaço noutros aeroportos. E só então, “lá para 2014, é que se pode pensar no tráfego de passageiros”.
João Rosa, proprietário de uma unidade hoteleira, está apreensivo quanto o futuro: “Não sei por quanto tempo vamos manter o hotel aberto”, um projecto em que acreditou, convencido que o aeroporto iria trazer um fluxo de turistas estrangeiros que não se confirma. “Faz que anda mas não anda”, queixa-se João Rosa, frisando que só durante a final da liga dos campeões europeus, com o estacionamento em Beja de 25 aeronaves de passageiros, é que “o negócio animou alguma coisa” durante dois dias com as tripulações que se alojaram na sua unidade hoteleira. “Ora isto não é nada”, reage o empresário, lamentando o seu “atrevimento” em avançar para um investimento feito com base em empréstimos bancários e que está agora ameaçado com o anúncio da ANA que prioriza o desmantelamento de aviões em detrimento da componente passageiros e carga.
O aeroporto do Beja, descrito por José Sócrates em 2007 como “um baixo investimento para um grande benefício”, dimensionado para dar apoio à componente turística então anunciada para a zona de Alqueva, ficou pelo caminho. Até ao momento, nenhum dos 12 projectos PIN programados, orçados em cerca de mil milhões de euros, iniciou obra. E duvida-se que alguma vez este tipo de empreendimentos turísticos de grande dimensão, que traria 22.500 turistas estrangeiros à região, conheça a luz do dia.»

Carlos Dias, artigo publicado no jornal “Público
(24 Julho 2014)

Artigos relacionados

Mais em Aeroportos, Europa, Manutenção Aeronáutica (47º de 537 artigos)

«O aeroporto de Beja, que custou 33 milhões de euros e foi inaugurado há seis anos, serve quase só para estacionamento e manutenção de linha de aviões de algumas companhias aéreas, segundo a ...