pista73.com

conteúdos de aviação comercial

Inicio

Ground Handling, Europa, Aeroportos

Aeroporto de Lisboa – ANA, TAP, NAV, Portway e Groundforce juntam esforços para criar plataforma tecnológica

«A ANA, gestora dos aeroportos nacionais, numa cerimónia presidida pelo Secretário de Estado das Infra-estruturas Guilherme W. d’Oliveira Martins, um acordo com os outros principais intervenientes no aeroporto da Portela para criar uma plataforma tecnológica que torne mais eficiente o aeroporto da capital. Estiveram presentes os presidentes das empresas signatárias: Jorge Ponce de Leão, presidente da ANA e da Portway; Guilhermino Rodrigues, presidente da Groundforce; Luís Coimbra, presidente da NAV; e David Pedrosa, administrador da TAP.
“Foi hoje (25jan2016) assinado um acordo entre os principais intervenientes no processo aeroportuário de Lisboa que vai levar à criação de uma plataforma tecnológica para tornar mais eficiente e beneficiar a operação do aeroporto, através da partilha de informação relevante e da adopção de processos coordenados”, explicitou hoje um comunicado da empresa controlada pelo grupo francês Vinci, dono da ANA. Os agentes que integram o projecto CDM (Collaborative Decision Making) são a ANA , a NAV, gestora do controlo de tráfego aéreo; a TAP, e a Portway e a Groundforce, empresas de ‘handling’.
“Há alguns anos que todas estas companhias estão comprometidas com a implementação do Airport Collaborative Decision Making [ACDM], um dos pilares tecnológicos do Single European Sky [Céu Único Europeu], cujo grande objectivo é organizar o espaço aéreo europeu em blocos funcionais e não tanto pelas fronteiras nacionais dos vários países”, explica um comunicado da ANA, acrescentado que a meta é “conseguir acomodar em condições de seguranças os crescimentos de tráfego aéreo previstos”.

Os objectivos inerentes a este acordo são:
a) Assegurar mecanismos técnicos e processuais de partilha de informação operacional no Aeroporto de Lisboa que possibilitem uma maior eficiência no processo aeroportuário no seu todo e nos processos específicos de cada parceiro;
b) Implementar procedimentos que possibilitem, para além da partilha de informação relevante e em tempo útil, obter maior previsibilidade sobre as etapas fundamentais associadas aos voos processados;
c) Promover a troca de informação entre o Aeroporto de Lisboa e o NMOC (Network Manager Operations Control) para potenciar essa previsibilidade e fornecer informação mais rigorosa;
d) Criar um sistema que avalie as melhorias decorrentes da partilha de informação e condições de previsibilidade e do qual resultem propostas de ações concretas de melhoria.»

artigo publicado na revista “Cargo Edições”
(25 Janeiro 2016)

 

Artigos relacionados

Mais em Aeroportos, Europa, Ground Handling (117º de 815 artigos)

“Um aeroporto com uma pista, em qualquer lugar do mundo, pode chegar de 42 a 46 movimentos por hora, ...