pista73.com

conteúdos de aviação comercial

Inicio

Ground Handling, África, Aeroportos

Angola – A TAAG cresce em novemro 47,9% no Aeroporto de Lisboa

«A companhia angolana TAAG, que compete com a TAP nos voos regulares entre Lisboa e Luanda, foi uma das ‘estrelas’ do Aeroporto Humberto Delgado/Lisboa no mês de Novembro, com um aumento de passageiros em 47,9%,

que levou a que depois de meses sucessivos em quebra, a ligação entre as capitais portuguesa e angolana tenha atingido um crescimento em 26%.
Dados do Aeroporto de Lisboa a que o PressTUR teve acesso indicam que em Novembro 32.762 passageiros viajaram em voos regulares de/para Lisboa, com um aumento 6.765, que se fez quase exclusivamente na TAAG, que teve um aumento em 6.406, para 19.792.
Estes dados levam à conclusão que a TAP terá somado 12.970 passageiros nos seus voos de/para Luanda em Novembro, com um aumento em 2,8% ou 360. Assim, a TAAG foi a transportadora de seis em cada dez passageiros que viajaram em Novembro entre Lisboa e Luanda, ganhando 8,9 pontos de quota de mercado à TAP, que baixou de 48,5% para 39,6%.
Esta tendência é também a que é evidenciada pelos números relativos aos primeiros onze meses do ano, em que a TAP perde 11,8 pontos de quota de mercado para a TAAG, baixando de 50,8% para 39,1% do total de passageiros que voaram em voos regulares entre Lisboa e Luanda, enquanto a angolana sobe de 49,2% para 60,9%.
Os dados do Aeroporto de Lisboa a que o PressTUR teve acesso mostram que apesar de um decréscimo de passageiros em voos regulares de/para Luanda em 4,5% ou quase 17 mil, para 357.374, a TAAG tem um aumento em 18,3% ou cerca de 33,7 mil, para 217,7 mil, o que implica para a TAP uma queda em 26,6% ou cerca de 50 mil, para 217,7 mil.
Este impacto, porém, não é evidenciado nas notícias da semana passada sobre a alegada “dívida” de Angola a TAP, que segundo alguns jornais já estará em 70 milhões de euros, referindo-se a capitais gerados com vendas no mercado angolano que a companhia tem dificuldade em repatriar.
Porém, desde pelo menos Janeiro de 2015 que a TAP deixou de permitir a emissão no mercado angolano de bilhetes para viagens que não comecem em Luanda, para assim travar a acumulação de capitais retidos no país, uma medida que a própria TAAG também adoptou, neste caso por necessidade de fazer receitas fora de Angola. Além dessa medida, a 1 de Julho a TAP reduziu a frequência de voos de/para Luanda, em 20%, de dez para oito por semana (para ler mais clique: TAP reduz operação para Luanda em 20% a partir de 1 de Julho).
Ainda assim, embora com uma quebra de passageiros que se situa na ordem de 25%, apesar de há dois anos ter acabado com a concentração da emissão de bilhetes em Angola, a companhia portuguesa só em cerca de três meses teve um aumento dos capitais retidos em Angola em cerca de 20 milhões de euros. O jornal diz também, para exemplificar que os valores em causa variam consoante as épocas, que em Agosto as vendas rondaram “nove a dez milhões” de euros. Os dados do Aeroporto de Lisboa relativos a Agosto mostram que nesse mês teve uma quebra de passageiros em voos regulares de/para Luanda em 10,7% ou cerca de cinco mil, para 41.316, apesar da qual a TAAG teve um aumento em 7% ou cerca de 1,6 mil, para 24.863. Como só a TAP tem voos regulares entre Lisboa e Luanda além da TAAG, os dados do Aeroporto de Lisboa indicam que a companhia portuguesa teve nesse mês uma quebra de passageiros nas ligações com a capital angolana em aproximadamente 28,6% ou 6,6 mil, para 16,4 mil.»

artigo publicado na página de internet “Presstur
(12 Dezembro 2016)

Artigos relacionados

Mais em Aeroportos, África, Ground Handling (138º de 861 artigos)

«A transportadora aérea angolana TAAG retoma os voos entre Angola e Cabo Verde, com o primeiro voo ...