pista73.com

conteúdos de aviação comercial

Inicio

Ground Handling, América do Sul, Aeroportos

Brasil – Aeroporto de Brasília iniciará aterragens e descolagens em pistas simultâneas

O Aeroporto Internacional de Brasília vai iniciar, a partir de novembro, a operação independente de duas pistas, viabilizando as chamadas operações paralelas simultâneas independentes, quando dois aviões poderão aterrar (ou descolar) ao mesmo tempo. O Aeroporto Juscelino Kubitschek é o primeiro aeródromo da América Latina que vai possibilitar o aumento do fluxo aéreo nestas condições.
A capacidade de pista do Aeroporto de Brasília (aterragens e descolagens por hora), crescerá agora cerca de 30%. Com as mudanças, ela saltará dos atuais 60 movimentos aéreos/hora para 80 aterragens e descolagens por hora.
Inaugurado antes mesmo da Capital Federal, em 1957, o aeródromo é um dos poucos do País detentor desse “layout” ideal para operar com pistas independentes: duas longas retas paralelas, distantes suficientemente uma da outra, ao alcance visual de uma Torre.
Esse ganho de capacidade operacional é resultado de um amplo trabalho realizado pelo Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea), destinado a otimização dos fluxos de tráfego na terminal aérea de Brasília com a implementação de novos procedimentos PBN (em português, Navegação Baseada em Performance), especificamente orientados às referidas operações.
Na prática, é como se houvesse dois aeroportos funcionando separadamente, uma vez que, a partir de então, cada pista terá suas três posições de controle na torre, operando com auxílios a navegação aérea próprios.

Experiência
Operações simultâneas em pistas paralelas são hoje uma exclusividade de grandes hubs internacionais e dos maiores aeroportos do mundo. Os três mais movimentados do mundo – Atlanta (Hartsfield-Jackson), nos EUA, Pequim (Beijing Capital International), na China e Londres (Heathrow), na Inglaterra – transportaram, só no ano passado, 95, 86 e 73 milhões respectivamente – dados da Airports Council International (ACI). Jamais alcançariam esses números se não operassem com pistas paralelas independentes que viabilizam uma elevação significativa de embarques e desembarques.
A novidade, escassa nos principais aeroportos do hemisfério sul, aporta em Brasília e já é vislumbrada por outros administradores de aeroportos no País. Embora o movimento no Brasil ainda seja menor (39 milhões de passageiros/ano no Aeroporto Internacional de Guarulhos – São Paulo, o maior do Brasil) a demanda é crescente e a necessidade de aumento de capacidade operacional, mandatória.
Em Campinas, a Concessionária de Viracopos planeia a implementação de operações simultâneas de aterragens e descolagens no aeroporto com a construção de uma segunda pista. O mesmo pode ocorrer no novo aeroporto da região metropolitana de Porto Alegre, ainda em planeamento.
Guarulhos, por outro lado, ainda não pode operar nas pistas independentemente. A distância entre as mesmas, na sua configuração atual, é menor do que os 1.035 metros requeridos pela Icao (International Civil Aviation Organization) – órgão da ONU regulador do transporte aéreo civil internacional, para executar aterragens e descolagens simultâneas com segurança.
De todo modo, o aumento substancial de capacidade de pista em Brasília chega no momento em que o aeroporto se transforma cada vez mais num importante hub doméstico. Desde 2014, Brasília já transporta mais passageiros do que Congonhas e Galeão. Ainda no ano passado, 8,1 milhões de passageiros utilizaram o aeroporto de Brasília como ligação para visitar outras regiões, sobretudo no Sudeste e Nordeste.
Os benefícios e ganho de capacidade proveniente do início das operações paralelas simultâneas independentes, somados à localização geográfica estratégica da capital poderão, enfim, alçar o Distrito Federal como um grande centro de distribuição de passageiros entre o Norte e o Sul do País, estimulando a concorrência entre os “novos” grandes aeroportos do País.

adaptação do texto publicado na página de internet “Portal Brasil
(22 Junho 2015)

Artigos relacionados

  • Brasil - Aeroporto de Brasília vai operar com duas pistas em simultâneo
  • Brasil - ANAC redistribuirá slots em Congonhas (CGH)
  • Brasil - Aeroportos do Rio deverão receber quase mil aviões privados na final da Copa
Mais em Aeroportos, América do Sul, Ground Handling (468º de 771 artigos)

«O novo projeto da concessionária Inframerica para o Aeroporto Internacional de Brasília Juscelino Kubitschek vai transformar o aeródromo num complexo turístico e empresarial. Chamado de “Primeira ...