pista73.com

conteúdos de aviação comercial

Inicio

Ground Handling, Aviação Comercial, América do Sul, Aeroportos

Brasil – Aeroportos do Rio deverão receber quase mil aviões privados na final da Copa

Os aeroportos do Rio de Janeiro deverão receber quase mil jatinhos entre domingo (13), dia da final da Copa do Mundo no Maracanã, e segunda-feira (14). Para dar conta da demanda, a SAC (Secretaria de Aviação Civil) e o Decea (Departamento de Controle do Espaço Aéreo) fizeram um planeamento que prevê atrasos controlados das aeronaves que estiverem pousando/aterrando ou descolando no sentido contrário ao pico de demanda. Antes de Alemanha e Argentina entrarem em campo, o intervalo entre as descolagens no Galeão serão espaçadas de modo a permitir um maior número de pousos/aterragens. Após o término do jogo, ocorrerá o inverso, para permitir o maior número possível de descolagens. A distância entre os pousos ou descolagens, que costuma ser de 5 milhas náuticas, passou para 15 milhas náuticas. Além disso, as descolagens de jatinhos passaram a ser autorizadas apenas com hora marcada. O planeamento passou a ser adotado após o jogo do Brasil em Brasília, em 23 de junho, quando a seleção enfrentou Camarões. Naquele dia, a maioria dos jatinhos pediu para descolar na mesma hora e houve problemas com a aprovação de planos de voo. Os atrasos chegaram a quatro horas. Para o diretor de gestão aeroportuária da SAC, Paulo Henrique Possas, as medidas foram necessárias para evitar o caos que aconteceu na África do Sul. Naquele país, aviões privados lotaram os pátios, atrapalhando a aviação regular, e acabaram sendo removidos para a grama. “A demanda no início da Copa foi menor do que o esperado, mas a segunda fase é sempre mais crítica e não podemos baixar a guarda”, diz Possas. O rigor das medidas adotadas pelo tráfego aéreo foi criticado por operadores privados de helicópteros e jatinhos, que reclamam de prejuízos. Sobre essa queixa de operadores, Passos diz que é preciso entender que trata-se “de um período diferenciado, que envolve muita segurança”. “Se olhar para os aeroportos, sobraram muitos slots para os voos da [aviação] executiva. Mas é claro que sempre há concorrência grande para melhores horários. É como no estádio, todo mundo queria estar lá, mas não há ingresso para todos.” BAIXA Penalidades adotadas pelo governo para evitar o caos aéreo na Copa, desde multas até suspensão de habilitação, afetaram operadores de jatinhos, teco-tecos e helicópteros, que preveem prejuízos milionários com o movimento menor. Entidades que representam empresas de táxi aéreo e operadores de aeronaves privadas atribuem às penalidades a responsabilidade pela queda no movimento em até 60% em relação a 2013.

Mariana Barbosa, adaptação do texto publicado na página de internet “Tnonline”
(12 Julho 2014)

Artigos relacionados

Mais em Aeroportos, América do Sul, Aviação Comercial, Ground Handling (4º de 721 artigos)

Iniciativa está sendo liderada pelo DECEA e a Concessionária Administradora do Aeroporto de Guarulhos – GRU Airport e tem como objetivo melhorar o desempenho da gestão do tráfego aéreo, bem como permitir ...