pista73.com

conteúdos de aviação comercial

Inicio

Ground Handling, Europa, Aeroportos

Vision-Box, empresa portuguesa, utiliza a biométrica facial para a aviação e controlo de fronteiras

As eGates, ou portas electrónicas, no aeroporto da Portela, utilizam a biométrica facial para avaliar se a cara do passageiro e a fotografia do passaporte electrónico ou cartão do cidadão são a mesma pessoa. O sistema é mais fiável, e quem viaja ganha em comodidade. A solução foi desenvolvida pela Vision-Box, uma empresa portuguesa.
“Estamos a falar de uma modernização muito significativa dos processos nos aeroportos. Até agora, um guarda fronteiriço olhava para o nosso passaporte, olhava para a nossa cara, e decidia se o documento era autêntico. Hoje isso faz-se de forma automática”, afirma Catarina Meleiro, communications manager da empresa, com sede em Alfragide.
Esta é a nova realidade, não só em Lisboa, como em cada vez mais aeroportos no mundo. “São 60 aeroportos que já aderiram à nossa tecnologia, mais de 10 nos Estados Unidos, mais de 10 no Reino Unido, aeroportos dos mais reconhecidos a nível mundial, como Schiphol, em Amesterdão, JFK , nos EUA, Sidney… “.
As soluções para a aviação e controlo de fronteiras representam 80% da facturação da Vision-Box, criada em 2001 por Bento Correia e Miguel Leitmann, dois antigos investigadores do INETI – Instituto Nacional de Engenharia, Tecnologia e Inovação. Mas a empresa actua também no sector da gestão da identidade, tendo desempenhado um papel importante no lançamento do cartão do cidadão e passaporte electrónico em Portugal, há quase uma década. Entretanto, já foram implementadas mais de três mil soluções dessa natureza, em vários países.

Passageiro ‘self-service’
Vencedora do Prémio Inovação Cotec-BPI 2015, a Investigação & Desenvolvimento é uma área chave. A empresa tem 275 trabalhadores, entre eles 35 engenheiros de ‘software’, cinco dos quais dedicados exclusivamente às actividades de inovação. “Todo o desenvolvimento de ‘software’ e ‘hardware’ é feito internamente pela Vision-Box. Dessa forma, dominando 100% a cadeia de valor, estamos numa posição mais confortável para responder aos desafios dos nossos clientes, que são muito exigentes”, explica Rui Nunes, director de desenvolvimento de ‘software’.
O ‘know-how’ acumulado em 14 anos de existência, permitiu à Vision-Box criar um sistema que revoluciona a forma como os passageiros se movimentam num aeroporto. “O projecto ‘Happy Flow’ é muito importante para a empresa, e tem a ver com a centralização de dados de forma a que as pessoas no aeroporto utilizem um documento apenas uma vez, na altura do ‘check-in’. E depois, em todos os pontos de controlo seguintes, exige-se apenas a presença física.Toda a parte biométrica ocorre ‘behind the scenes’, de forma automática”.
Este sistema começou a funcionar em Maio no aeroporto de Aruba, nas Caraíbas, no âmbito de um projecto-piloto levado a cabo por um consórcio, desde 2013, participado pelo aeroporto de Schiphol, a KLM, e os governos de Aruba e da Holanda. Um sistema em que parece que todos ganham: governos, aeroportos e companhias aéreas.
“Desde que implementámos o projecto-piloto em Aruba, com ligação a Amesterdão, é a primeira vez que todos os ‘stakeholders’, todos os responsáveis dessa indústria, falam de forma colaborativa.Daqui a um ano já poderemos ver novos projectos no mercado, muito mais abrangentes, com essa abordagem desde o ‘check-in’, controlo de fronteiras, embarque e controle de segurança, utilizando a biometria como meio único de verificação dos dados do passageiro “, afirma Jeff Lennon, vice-presidente para o negócio global.
Uma solução que também poderá vir a ser instalada nos aeroportos portugueses. “Já estamos a avaliar. A ANA, VINCI e o SEF são ‘stakeholders’ importantes para nós, clientes históricos. Já fizémos uma gestão de pilotos para as fronteiras inteligentes na Europa – ‘smart borders’. Ficaram muito entusiasmados com as capacidades da nossa solução, e já estamos em discussões para implementar potencialmente um piloto”.
Mas o mercado nacional tem pouca expressão nas contas da empresa. 98% do negócio é gerado no exterior. Com subsidiárias na Austrália, Hong Kong, Dubai, Holanda, Inglaterra, EUA e Brasil, a Vison-Box é líder no mercado de controlo automatizado de fronteiras. Compete com grandes multinacionais, mas quer continuar na dianteira. “Temos como ambição continuar a gerir a liderança, sempre como um ‘challenger’ – somos muito humildes –, sempre com muita capacidade de conquista. Já estamos presentes em mais de 120 países, mas o mercado não pára de crescer. A divulgação do passaporte electrónico é uma rampa para o nosso desenvolvimento”.
Existem à volta de 700 milhões de passaportes electrónicos em circulação no mundo.Um número que está aumentar. Para a Vision-Box, quanto mais, melhor. Disso também depende o crescimento futuro da empresa.

Carla Alves Ribeiro, adaptação do texto publicado na página de internet “Economico
(17 Novembro 2015)

Mais em Aeroportos, Europa, Ground Handling (1036º de 1122 artigos)

«Uma empresa portuguesa está a revolucionar os aeroportos de todo o mundo graças a uma tecnologia inédita que promete ser o futuro da experiência dos passageiros que viagem de avião. O sucesso fez, ...