pista73.com

conteúdos de aviação comercial

Inicio

Europa, Aviação Comercial

Airbus Group suprime 5800 postos de trabalho na Europa

Cargueiro da Airbus

«O anúncio era há muito temido pelos trabalhadores e a confirmação chegou nesta segunda-feira: a EADS, gigante europeu da aeronáutica, vai suprimir 5800 postos de trabalho até ao final de 2016, na Alemanha, França, Reino Unido e Espanha. A supressão dos postos de trabalho na casa-mãe da Airbus resulta da fusão das divisões de defesa e espaço com o sector dos aviões militares.
A aglutinação destas actividades num só departamento (Airbus Defence & Space) foi apresentada nesta segunda-feira em Munique, no comité europeu do grupo, que tem como accionistas, entre outros investidores, os Estados francês (12%), alemão (perto de 11%) e espanhol (4%). A saída do maior número de trabalhadores acontecerá na Alemanha, onde o grupo tem a maior parte das suas actividades de defesa.
Segundo a central sindical Força Operária, 4500 dos postos de trabalho em causa são a tempo inteiro.
Uma parte da redução de postos de trabalhos, espera a EADS, será feita através de rescisões amigáveis. A reestruturação é considerada pela direcção como inevitável para tornar o grupo mais competitivo nos mercados emergentes. Um argumento que é contestado pelos representantes dos trabalhadores, que dizem que estão a ser sacrificados postos de trabalho para a empresa garantir rentabilidade financeira.
Nos nove primeiros meses do ano, o grupo apurou 1200 milhões de euros de lucro (a divisão da Airbus é responsável por 80% do volume de negócios do grupo, que já passou por uma reestruturação em 2007).
Perante a simplificação da estrutura do grupo, que a partir de Janeiro adopta o nome de Airbus Group, vários sindicatos já tinham escrito ao primeiro-ministro francês, Jean-Marc Ayrault, a exigir que o Estado francês interviesse para impedir a supressão de postos de trabalhos, escreve o jornal Le Monde.
A reestruturação foi justificada pelo presidente-executivo do grupo, Tom Enders, com a necessidade a empresa “reforçar a competitividade” das actividades espaciais e de defesa. “Tendo em conta o decréscimo nos nossos mercados tradicionais, temos de melhorar urgentemente o nosso acesso aos clientes internacionais e aos mercados em crescimento. Para isso, é preciso reduzir os custos, eliminar as duplicações de produtos e de recursos, criar sinergias nas nossas operações e no nosso portefólio de produtos” e focar melhor os esforços de pesquisa e desenvolvimento, disse.
Em França, as actividades na região de Paris passam a estar concentradas em Suresnes, onde funciona o departamento técnico do grupo e o de inovação.
Na Alemanha, a EADS quer concentrar em Ottobrunn (Munique) a divisão de defesa e espaço, para onde prevê transferir mil postos de trabalho que estão hoje em Unterschleißheim, a cerca de 45 quilómetros. Daqui, quer também transferir outros 200 a 300 postos de trabalho.
Em Espanha, as actividades de duas estruturas na região de Madrid vão ser transferidas para uma só, em Getafe, a cerca de 30 quilómetros do principal aeroporto da capital espanhola. A reestruturação vai também implicar a concentração das actividades do grupo em Sevilha num só espaço. No Reino Unido, a EADS prevê concentrar algumas actividades de estruturas mais pequenas num dos três grandes centros do grupo.»

Pedro Crisótomo, artigo publicado no jornal “Público
(9 Dezembro 2013)

Artigos relacionados

Mais em Aviação Comercial, Europa (17º de 563 artigos)

«Uma subsidiária do grupo chinês HNA, acionista da TAP através do consórcio Atlantic Gateway e da companhia brasileira Azul, comprou o aeroporto alemão de Frankfurt-Hahn, infraestrutura deficitária ...