pista73.com

conteúdos de aviação comercial

Inicio

Ground Handling, Aviação Comercial, América do Norte

Carga aérea – IATA estabelece três prioridades

«A Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA) estabeleceu três linhas prioritárias para alavancar o transporte aéreo de mercadorias e aumentar as receitas: a transição para processos sem papel; o foco em padrões globais estandardizados para manuseamento de produtos fármacos; medidas apertadas para garantir continuidade da segurança no transporte de baterias de lítio.

Durante o 9º Simpósio Mundial de Carga, realizado em Xangai, na China, entre 10 e 12 de março, o diretor-geral e CEO da IATA destacou que a movimentação de cargas, por via aérea, cresceu em 2014, com um incremento de 4,5% se comparado com 2013. No entanto, alertou para o facto de que as receitas caíram pelo quarto ano consecutivo. Assim, segundo ele, alavancar esses resultados depende da melhoria do valor da carga.
Conforme a IATA, reduzir o uso de papel e utilizar sistemas informatizados nos procedimentos burocráticos de transporte aéreo de cargas reduz custos, tempo, atrasos na movimentação de carga e agiliza a detecção e solução de erros. Dados da entidade apontam que 24% das empresas que prestam esse tipo de serviço no mundo já aderiram ao e-AWB, modelo para execução de contratos eletrônicos entre embarcador e transportador, possível por meio do intercâmbio de dados pela internet, elaborado pela Iata. A meta, neste ano, é elevar a adesão para 45%. Além disso, a ideia é planear a digitalização de outros documentos de carga aérea.
Quanto à definição de normas de manuseio globais para produtos farmacêuticos, a Associação alerta para a oportunidade de aproveitar um mercado que movimenta 60 mil milhões de dólares/ano. Segundo a IATA, é necessário garantir a integridade dos bens transportados e estar de acordo com a regulação das autoridades globais sobre esse tipo de produto.
Já o transporte contínuo e seguro de baterias de lítio é tido como uma grande preocupação para a indústria. Apesar de existirem regulamentos, já que são produtos considerados perigosos, eles não têm sido cumpridos por todos os carregadores. Como elas são projetadas para fornecer altos níveis de potência, a energia elétrica é expressiva, o que significa que podem, às vezes, gerar uma grande quantidade de calor se estiverem em curto-circuito. Além disso, o conteúdo químico desses equipamentos pode incendiar-se caso seja danificado, projetado ou montado de forma inadequada.»

artigo publicado na revista “Cargo Edições”
(15 Março 2015)

Artigos relacionados

Mais em América do Norte, Aviação Comercial, Ground Handling (168º de 619 artigos)

«De acordo com os dados agora tornados públicos pela IATA, o mercado de transporte aéreo de mercadorias cresceu 5% no mês de Julho, quando comparado com o mesmo mês do ano passado. ...