pista73.com

conteúdos de aviação comercial

Inicio

Aviação Comercial, América do Norte

Estados Unidos – Airbus A320 da Delta Airlines aterra de emergência

«Uma forte tempestade de granizo rachou vidros, amolgou a fuselagem e avariou instrumentos de um avião nos Estados Unidos, obrigando-o a uma aterragem forçada.
Passageiros e tripulação viveram momentos de desespero a bordo do voo 1889 da Delta Airlines, entre Boston e Salt Lake City, em Utah. O avião – um Airbus A320 – descolou às 22h43 de sexta-feira (3h43 de sábado em Lisboa) de Boston. Subiu normalmente para 32.000 pés de altitude e depois para 34.000 pés (10.363 metros), segundo o perfil do voo recolhido pelo site Flighradar24.
Com pouco mais de três horas de voo, a aeronave começou a atravessar uma zona de mau tempo, com forte presença de granizo. Segundo o relato de alguns passageiros, houve uma violenta turbulência, com gritos de desespero e pessoas a enviarem mensagens aos familiares.
“Estamos em má situação aqui”, disse o piloto ao controlo aéreo, via rádio, segundo registos da comunicação da cabina revelados pela estação norte-americana de televisão ABC. Outro avião também reportara problemas logo antes, basculando de um lado para o outro, instável.
As pedras de granizo castigaram violentamente o aparelho da Delta Airlines, até racharem completamente os dois vidros frontais exteriores da cabina, impedindo a visão dos pilotos. “Os vidros estão severamente afectados”, disse o piloto ao controlo aéreo. “Já não temos também o radar”, acrescentou.

O A320 desceu abruptamente, cerca de 14.000 pés (4300 metros) em quatro minutos. Estabilizou por alguns minutos e depois aterrou de emergência em Denver.

O nariz do avião – onde fica o seu radar – estava completamente amassado, com a tinta removida pelo impacto do granizo.
Apesar do susto, apenas um passageiro ficou ligeiramente ferido.
O caso não é inédito. Em Fevereiro passado, um avião da companhia aérea brasileira TAM também ficou com o nariz “amassado” ao passar por uma chuva de granizo, e teve de retornar ao aeroporto do Galeão, de onde partira rumo a Natal.»

Ricardo Garcia, artigo publicado no jornal “Público
(9 Agosto 2015)

Artigos relacionados

Mais em América do Norte, Aviação Comercial (10º de 464 artigos)

Para um especialista em acidentes deste género, David Gleave, a ausência de mortes fica a dever-se a pormenores que fizeram toda a diferença. ...