pista73.com

conteúdos de aviação comercial

Inicio

Curiosidades

Mala “inteligente” portuguesa está a chegar aos aeroportos mundiais

Mala_Segura_1

«Perdeu a mala em viagem? Agora vai poder segui-la a partir do telemóvel, graças ao projeto “Mala Segura”, que permite ao passageiro monitorizar a sua bagagem de aeroporto em aeroporto.
O projecto português Mala Segura, um sistema “inteligente” de localização e monitorização de malas, pode vir a ser usado nos aeroportos de todo o mundo, caso seja aprovado pela Associação Mundial de Transporte Aéreo (IATA), que reúne sobre o tema nos próximos dias 22 e 23 de Março.
A tecnologia garante a monitorização em permanência e a nível global, graças à incorporação, na espessura das bagagens, de dispositivos como o RFID (“radio frequency identificator”), WSN (“wireless sensor network”) e GPS/GSM (“global positioning system”). Permite ao cidadão, através de uma simples aplicação no telemóvel, controlar onde andam as suas malas e se já entraram ou não no avião.
O projecto foi desenvolvido pelo Pólo de Inovação em Engenharia de Polímeros (PIEP) da Universidade do Minho, com a parceria de quatro empresas e um centro de investigação. A Renascença falou com Bruno Pereira da Silva, director do projecto do PIEP e membro da comissão executiva do consórcio, para apurar até onde vai “voar” este projecto.
IATA dá o “carimbo” de confiança
“Nós fomos convidados pela própria IATA para apresentar, no Canadá, a solução. Da nossa parte existe grande confiança de que seja aprovada e que haja um carimbo da IATA a dizer que esta é uma solução inovadora que pode ser implementada a nível global”, afirmou Bruno Pereira da Silva. O director do consórcio lembrou que a IATA já recomenda o uso da tecnologia RFID há algum tempo, que “já está a ser utilizada mesmo em Portugal, no aeroporto de Lisboa, na área das transferências de bagagens, onde há mais problemas”.

Bruno Pereira da Silva explica a inovação do projecto
Pereira da Silva admite que o “RFID” não é implementado agora a nível maciço por questões económicas. “A partir do momento em que desenvolvemos uma solução em que o factor económico é diluído pelo número de viagens que fazemos, e o custo é por parte do utilizador, poderá ser facilmente implementada a nível global”.
As malas podem ser usadas no transporte aéreo, marítimo, ferroviário ou rodoviário, mas a gestão aeroportuária pode valer mais de 90% do mercado, de acordo com o PIEP. Alguns aeroportos já usam esta tecnologia, anexando manualmente as etiquetas em cada mala e investindo cerca de 10 cêntimos por passageiro, o que se reflecte nas taxas cobradas nos bilhetes. Porém, se as bagagens tiverem aquele dispositivo incorporado o custo passa para o passageiro apenas quando compra a sua mala.
Mala incorporada com “RFID” pode vir em várias formas
Segundo as previsões do consórcio “Mala Segura”, o passageiro vai poder adquiri-la já dentro de meio ano. A solução agora apresentada é “rija”, mas “dado que o mercado de mala não é só o rijo, existe também o tecido, desenvolvemos uma solução paralela, flexível, que pode ser incorporada nas malas de tecido, e também nas malas que já existem”.
Em 2009 ter-se-ão extraviado 10 mil bagagens por dia nos aeroportos da União Europeia e 90 mil a nível mundial, os seja, 600 mil por semana e três milhões por mês, representando um custo global estimado de três mil milhões de euros.»

artigo publicado na página de internet “Rr Radio Renascença”
(19 Março 2011)

 

Artigos relacionados

Mais em Curiosidades (97º de 97 artigos)

«O Aeroporto Internacional Tom Jobim – RIOgaleão – no Rio de Janeiro (RJ), inaugurou um sistema de autoatendimento para despacho de bagagens em voos domésticos da Gol Linhas Aéreas. ...