pista73.com

conteúdos de aviação comercial

Inicio

Ground Handling, Europa, América do Sul

Aviação comercial – Bagagem na cabine provoca irregularidades operacionais (atrasos)

Regra geral cada companhia aérea define os limites máximos de peso e dimensão da bagagem na cabine que cada passageiro poderá transportar em função do tipo de aeronave, classe e destino.

A maioria das companhias aéreas permitem ao passageiro o transporte gratuito de uma bagagem de mão (personal item) com artigos pessoais e uma bagagem de cabine (cabin bag)
Bagagem de mão e cabine
A bagagem de mão (personal item) pode ser uma bolsa pequena, uma pasta de trabalho ou uma mochila para Notebook com as medidas máximas que devem variar entre os 45 cm X 35 cm X 20 cm e os 40 cm X 30 cm X 15 cm e pesar até 2 kg que deverá ser colocada debaixo do assento da frente mas, se viajar na fila de emergência ou na primeira fila da cabine, a bagagem terá mesmo que ser colocada na bagageira.
A bagagem de cabine (cabin bag) padronizada pela Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA) com 55 centímetros de altura por 35 centímetros de largura e 25 centímetros de profundidade e que será colocada na bagageira (bin).

Bagagem de bordo

Bagageira (Bin)

 

O Brasil passou a adotar 10 quilos como peso máximo e as medidas de 55 x35x25 cm.
A Passaredo determina, por tipo de frota, as seguintes dimensões 55 cm X 35 cm X 22 cm assim como a MAP tem como peso limite os 5 quilos e as dimensões máximas de 55 cm X 35 cm X 22 cm. (ATR 42 / ATR 72 dimensões 35x 30 x 20cm)

Uma vez que as companhias aéreas podem optar por despachar para o porão a bagagem de mão ou cabine que exceda ou não cumpra as regras de segurança, para saber o que pode levar, deve contactar a companhia aérea antes de viajar.

Bagagem de cabine provoca irregularidades operacionais (atrasos – delays)
As companhias aéreas oferecem aos seus passageiros o transporte de bagagem de mão (personal item) e de cabine (cabin bag) como marketing comercial transferindo para as empresas de assistência em escala a solução das irregularidades
Em voos com uma taxa de ocupação elevada, poderá ser necessário colocar a bagagem de mão ou de cabine no porão por falta de espaço a bordo. Quando isto acontece, a bagagem será retirada num dos locais de triagem e entregue no tapete de chegadas do destino.

Triagem na porta com emissão de etiqueta
A triagem de bagagem de cabine é conforme os aeroportos, feita no momento do check-in, durante o controlo de segurança ou na porta de embarque.
A bagagem retirada depois de etiquetada seguirá para o porão.
Como norma mundial na aviação comercial, todo o tráfego que siga no porão terá que ter, por segurança, uma etiqueta de identificação/peso.
A transferência da bagagem de cabine para o porão é feita pelo pessoal da companhia de assistência em terra (handler), de forma manual ou através de “escorregas de bagagem”, que efetua o carregamento da aeronave, o que poderá atrasar o voo e ter consequências no movimento aeroportuário.

Espaço bagageiras aeronave
Mesmo que todos os passageiros respeitem as dimensões e o número de volumes a serem transportados na cabine, não há espaço nas bagageiras do avião localizadas por cima dos assentos.
Em alguns modelos de aeronaves, as bagageiras não foram desenhadas para um passageiro/uma bagagem, normalmente os últimos passageiros a embarcar já não tem espaço nas bagageiras (bin).
O Boeing B737 Max 8 numa versão de 210 passageiros tem espaço para 178 bagagens de cabine o que significa que a bagagem de 32 passageiros seguirá para o porão. Outro exemplo será o Boeing B737-800 NG que para 189 passageiros tem espaço para 118 malas faltando assim espaço para 71.
O Airbus A320 com capacidade para 174 passageiros carrega apenas 106, o que representa 68 a serem desembarcadas para o porão.
No Brasil, segundo o presidente da Abesata (Associação Brasileira das Empresas de Serviços Auxiliares de Transporte Aéreo), o número de malas retiradas no embarque atinge uma média de 40 peças por voo, um total de 400 quilos a ser carregados no porão.
As empresas de design aeronáutico investem em novos modelos de interior para que as viagens se tornem mais confortáveis e o espaço para a bagagem atinja um passageiro/uma bagagem. É um processo lento porque as normas de segurança são muito rigorosas.

Muitas são as dúvidas que surgem ao passageiro em matéria de bagagem de cabine. Seguem alguns esclarecimentos às questões mais frequentes neste tema:
Por que nem sempre falta tanto espaço?
Nem todos os passageiros viajam com uma bagagem de cabine com as dimensões máximas. Muitos usam outros tipos de bagagem, como bolsas ou mochilas, que também podem ser acomodadas por baixo dos assentos.

Poderá a bagagem retirada não embarcar
Sim – se o avião for considerado um voo “critico” em espaço, peso ou centragem as probabilidades aumentam.

Quando a bagagem não embarca por questões de espaço no porão
Para que a bagagem de cabine possa ser carregada terá que outro tipo de tráfego ser descarregado (offload) do porão.

Quando a bagagem não embarca por questões de peso da aeronave
Se o avião atingiu o peso máximo ou a capacidade máxima por porão a bagagem de cabine não poderá ser carregada.

Quando a bagagem não embarca por questões de centragem (weight and balance)
Por centragem será necessário refazer parte do carregamento para que o avião fique dentro de limites operacionais.

Qualquer das situações descrita obriga a alterações na folha de carga (LMC – Last Minute Changes) ou à emissão de uma nova folha de carga o que aumentará a irregularidade – atraso.

Mais em América do Sul, Europa, Ground Handling (1055º de 1055 artigos)
Tap_8

«A partir de 01 de Agosto nova metodologia de Bagagem para voos domésticos, Europa, incluindo Marrocos e Argel ...