pista73.com

conteúdos de aviação comercial

Inicio

Ground Handling, África

Cabo Verde – TACV só tem uma aeronave a operar

«Um “número expressivo” de passageiros da TACV continua retido em Cabo Verde, informou a companhia aérea cabo-verdiana, que desde o início do mês cancelou 36 voos internacionais, tendo reencaminhado mais de 3 mil passageiros para outras empresas.
A companhia aérea, que nas últimas semanas cancelou a quase totalidade dos voos para a Europa, Estados Unidos e Brasil devido a uma avaria no motor do único avião que tem a operar, divulgou hoje um balanço da operação entre 1 e 13 de setembro.
De acordo com o balanço, durante o referido período foram cancelados 30 voos “inicialmente programados para operar com o B757” e mais 6 voos “em consequência de uma avaria idêntica no avião B767 da EuroAtlantic”, que a TACV tem alugado em permanência desde julho “para fazer face à grande demanda da época alta”.
A TACV adianta que, com recurso ao fretamento de avião de terceiros, conseguiu repor seis voos na linha de Providence e Lisboa e reencaminhar mais de três mil passageiros através de companhias como a TAP, Royal Air Marroc e SATA.
A companhia reconhece, embora sem especificar, que “um número expressivo” de passageiros continua retido em Cabo Verde.
“Reconhecemos que, em vários momentos, o tempo de espera dos passageiros é maior que o expectável”, refere a empresa, reafirmando que “esta situação acontece em plena época alta, altura em que os lugares em companhias terceiras estão limitados devido ao grande número de passageiros em férias a regressarem às suas origens”.
A TACV disse ainda ter gasto 1,8 milhões de euros em despesas com assistência (hotel, alimentação), reembolsos e reencaminhamentos dos passageiros.
O ministro das Finanças cabo-verdiano, Olavo Correia, admitiu hoje que o cancelamento de voos tem um “impacto importante”, adiantando que o Governo assumirá todos os custos e que os salários dos trabalhadores serão garantidos.
“O impacto é importante. Não vou avançar aqui o valor exato, mas o Governo assumirá essa responsabilidade. Aconteceu, os clientes finais não podem ser prejudicados, temos que garantir que todos os clientes sejam colocados no destino, isso custará e esse custo tem de ser assumido por alguém”, disse Olavo Correia.
A companhia aérea pública cabo-verdiana está em processo de reestruturação com vista à sua privatização, tendo o Governo assinado com o grupo islandês Icelandair um contrato de gestão da empresa pelo período de um ano.
Com um passivo acumulado de mais de 100 milhões de euros, a empresa assegura agora apenas as ligações internacionais depois de o Governo ter negociado com a Binter Cabo Verde o exclusivo das ligações no mercado doméstico, empresa na qual entrou com 49% do capital.»

artigo publicado na página de internet “Sapo 24
(14 Setembro 2017)

Artigos relacionados

Mais em África, Ground Handling (79º de 511 artigos)

«Mais de 2,6 milhões de passageiros passaram pelos aeroportos cabo-verdianos durante o ano de 2017, representando um aumento de 19,6% relativamente ao ano anterior, ...