pista73.com

conteúdos de aviação comercial

Inicio

Ground Handling, Europa

Grupo DHL investe €50 milhões em Portugal

«Há dois números que mostram como o mundo mudou, até na carga movimentada pela DHL: o transporte de luvas descartáveis compradas online disparou 670%, enquanto nas malas dos turistas a quebra foi de 77%.

Mostram também que a transportadora internacional “pode ser um bom barómetro da economia”, diz José António Reis, diretor-geral da DHL Express Portugal, garantindo que a empresa não sentiu quebra nas exportações no mercado nacional.
“Estamos até a crescer em relação ao período homólogo de 2019”, afirma o gestor, à espera de um salto de 11% nos negócios no país este ano, depois do crescimento de 8% no primeiro trimestre. Sem avançar valores para a operação no país, a empresa líder mundial em serviços correio e logística garante que se manteve a trabalhar “praticamente a 100% e sem interrupções de serviço”, durante o confinamento. “Como temos uma frota própria, isso dá-nos uma boa margem de manobra. Aliás, fomos a empresa com mais aviões nos céus europeus durante a pandemia”, sublinha.
O período de confinamento veio confirmar o reforço das encomendas digitais direcionadas a clientes particulares e empresariais. “As próprias empresas estão cada vez mais a fazer compras online”, adianta o gestor. “O B2C cresce 45% no grupo e Portugal segue a tendência”, acrescenta
A confirmar a confiança “na dinâmica da economia lusa”, a empresa do grupo Deutsche Post DHL reforça a aposta em Portugal. Está a investir €40 milhões num novo terminal de carga no aeroporto da Portela, onde quer quadruplicar a capacidade logo que possível, apesar do projeto, que no calendário inicial deveria estar pronto em 2021, ter já um ano de atraso “devido à necessidade de criação de novas acessibilidades que impactam com o terreno da empresa”. E, a este valor, junta €10 milhões para a ampliação de espaço no Aeroporto Sá Carneiro e a abertura de três lojas próprias, em Lisboa, Porto e Braga, para vender os produtos e serviços, e divulgar a sua marca. A rota até 2023 “é de crescimento, o pipeline de investimentos vai continuar e também vamos contratar. Somos um país estratégico para a DHL”, garante José António Reis que no âmbito da política de aproximação aos clientes já tem uma loja própria no Areeiro e uma rede de 350 pontos de serviço em parceria com lojas em todos o país. A quota de 52% no correio expresso internacional aéreo de mercadorias e documentos em Portugal, sobe até aos 60% no Norte, puxada pelas exportações de sectores como os têxteis, calçado e automóvel. Já no Sul, domina a banca, apesar de também haver fluxo exportador da indústria, designadamente aeronáutica. O ritmo diferente nos dois aeroportos lusos justifica o facto de a empresa ter um avião dedicado em Lisboa e outro no Porto, onde recebe um segundo avião três dias por semana para recolher mercadoria e entregá-la num dos seus hubs, normalmente Leipzig.
Com uma frota global de 260 aviões, a empresa emprega 110 mil pessoas e fechou 2019 com vendas de €17,1 mil milhões (+5,9%). O volume de envios aumentou 5,7% no mundo e 24% em Portugal, mais um indicador a justificar a aposta lusa. No plano de investimentos de dois mil milhões de euros definido pela DHL Express para a área digital até 2025, Portugal também aparece ao lado da Bélgica como um dos dois países-piloto na introdução de uma tecnologia pioneira que engloba leitura ótica de documentos e produção de informação nos sistemas via Smart OCR, de forma a preencher automaticamente documentos alfandegários. Mas ser escolhido para este tipo de experiências não é novidade: “Temos muitas pessoas com competências tecnológicas e respondemos bem a este tipo de desafios, por isso já temos sido país-piloto”, comenta.
No futuro próximo, haverá drones inteligentes a fazerem entregas de mercadorias, até porque a DHL está a investir nisto nos seus centros de desenvolvimento e inovação e já tem realizado experiências de entrega de medicamentos em zonas recônditas de África»

Mais em Europa, Ground Handling (5º de 1036 artigos)

«O Grupo Deutsche Post DHL, líder mundial em serviços de correio e logística, registou um recorde financeiro no último ano fiscal, apesar de todos os desafios enfrentados. O Grupo aumentou as suas ...