pista73.com

conteúdos de aviação comercial

Inicio

Ground Handling, Europa, Cabine

Portugal – A Groundlink obtém licença de classe 2,”check-in”,para os aeroportos do Porto e de Faro.

«A Groundlink, empresa portuguesa que presta assistência a aviões em 19 aeroportos, nasceu em 2008 com as poupanças de um engenheiro de minas e hoje é responsável pela limpeza de 1.500 voos em toda a Europa.
Francisco Bernardino explica, em declarações à Lusa, a Groundlink como um jogo de computador, uma vez que desde que foi constituída tem vindo “a subir de nível” — das limpezas dos aviões até à assistência aos passageiros (Lista de categorias de serviços de Assistência em Escala,pdf) , acompanhando o crescimento das companhias de baixo custo (‘low cost’).
A Groundlink começou por fazer o recrutamento em Portugal para a companhia ‘low cost’ irlandesa Ryanair, negócio que lhe permitiu voar para o ‘handling’ (designação que abrange todos os serviços prestados em terra para apoio às aeronaves, passageiros, bagagem, carga e correio), negócio em que também tem vindo a saltar patamares.
“Começámos por ter , porque a Ryanair precisava de ter quem assegurasse esse serviço. Depois passámos a fazer também supervisão do tráfego aéreo”, adiantou à Lusa o dono da empresa, Francisco Bernardino.
Agora, a Groundlink subiu mais um nível: acaba de obter licença de classe 2 para Portugal, que lhe permite fazer o ‘check-in’ de passageiros, em que se estreará, a partir de Outubro, nos aeroportos do Porto e de Faro.
Além de alargar os serviços prestados, a empresa tem vindo a estender a presença internacional, estando na Bélgica, em Espanha e no Reino Unido (até 01 de Maio vai abrir bases nos aeroportos de Luton e Gatwick), e a diversificar a carteira de clientes, continuando a Ryanair a ser a principal.
Neste momento, a Groundlink limpa cerca de 1.500 voos em toda a Europa e tem a seu cargo a limpeza de 34% da frota da companhia irlandesa.
“Estamos a crescer essencialmente lá fora e sobretudo no Reino Unido, que é um mercado que funciona, onde existe concorrência. Em Portugal não vale a pena investir, porque as coisas estão estagnadas”, defendeu.
Hoje, o negócio do ‘handling’ já representa a maior parte do volume de negócios da empresa (o recrutamento representa hoje apenas 3%), que atingiu os sete milhões em 2013 e que deverá chegar aos 10 milhões no final deste ano.
“Neste momento, estamos a recusar trabalho, porque a nossa capacidade de expansão é limitada”, explicou.
Francisco Bernardino orgulha-se de ter constituído uma empresa do sector da aeronáutica com um capital social de apenas 5.000 euros, depois de ter passado um ano e meio à procura de um negócio para investir as poupanças da sua “primeira vida”, que passou pela prospecção mineira em Angola e na África do Sul.
“Durante um ano e meio, procurei um negócio. Percebi que Portugal estava dez anos atrasado e foi surfar a crista da onda”, acrescentou.
O próximo nível passa pela expansão da actividade aos aeroportos da Europa de Leste, adiantou o presidente da Groundlink, que emprega 220 trabalhadores e prevê chegar ao final do ano com mais de 300 funcionários.»

artigo publicado no jornal “Sol”
(30 Março 2014)

Artigos relacionados

Mais em Cabine, Europa, Ground Handling (168º de 984 artigos)

«O ano de 2019 traz para a Transitex o desafio e a ambição da aposta no transporte de carga aérea – «este serviço, já realizado anteriormente pela empresa, começou em 2018 a receber melhorias e a ...