pista73.com

conteúdos de aviação comercial

Inicio

Ground Handling, África

São Tomé e Príncipe – China como parceiro na melhoraria das infra-estruturas aeroportuárias

«A modernização do aeroporto de São Tomé será “uma das principais obras desde a independência” de São Tomé e Príncipe e vai impulsionar o turismo,

disse o embaixador da República Popular da China no país, Wang Wei, em entrevista que será publicada na revista Macao em Setembro.
O embaixador salientou que o principal factor que impede a chegada e saída de aviões em maior quantidade ou de maiores dimensões é a pista do aeroporto, “pelo que estamos a estudar como podemos ajudar, executando esta obra o mais depressa possível, a fim de melhorar as infra-estruturas do país e assegurar uma ligação ao exterior com mais qualidade”,
O primeiro-ministro são-tomense, Jorge Bom Jesus, afirmou em recente entrevista à agência Macauhub que os estudos relativos à ampliação e modernização do novo aeroporto “ já estão bastante avançados” e que as obras deverão iniciar-se entre final de 2019 e início de 2020.
A China, adiantou, vai ainda financiar os estudos do novo porto de São Tomé, que numa primeira fase terá uma vocação comercial e pesqueira, mas que o governo pretende que venha a ter maior dimensão no futuro. Wang Wei disse agora que “a possibilidade” da obra do porto “ainda está a ser estudada”, encontrando-se esta “mais atrasada” do que o do aeroporto. O diplomata chinês elege o turismo como o sector com maior potencial para o investimento chinês e afirma que o interesse em investimentos foi reavivado com o 14º Encontro Empresarial entre a China e os Países de Língua Portuguesa, em julho em São Tomé, dois anos depois do reatamento de relações bilaterais sino-são-tomenses e da adesão do arquipélago ao Fórum de Macau. “Conversei com vários empresários chineses e estão muito interessados. O único problema é a distância. A viagem de Macau para aqui não é fácil. É a distância geográfica… mas acredito que a vontade e a interligação de interesses vão superar as dificuldades, que são passageiras”, disse Wang Wei à Macauhub.
Além de investimento em empreendimentos turísticos, os empresários chineses demonstram interesse na “melhoria de produtos, tanto agrícolas como de artesanato.” O diplomata chinês recordou, por outro lado, que o governo da China tem vindo a fazer várias doações a São Tomé e Príncipe, tendo pago a recuperação de três estradas e a drenagem de um pântano próximo da capital e estando prestes a iniciar-se um projecto de construção de casas sociais em vários distritos próximos da capital.
A China mantém no país quatro equipas de assistência técnica, nomeadamente de agricultura e pecuária, de energia, anti-malária e equipa médica.
Wang Wei acrescentou São Tomé e Príncipe, “caso o deseje”, é “muito bem-vindo” a juntar-se à iniciativa Faixa e Rota, tal como outros países africanos de língua portuguesa, como Cabo Verde.»

artigo publicado na página de internet “Macauhub
(26 Agosto 2019)

Artigos relacionados

Mais em África, Ground Handling (21º de 621 artigos)

«As obras de construção do Novo Aeroporto Internacional de Luanda vão ser retomadas ainda este ano, com previsão de conclusão em 2023, ...