pista73.com

conteúdos de aviação comercial

Inicio

Notícias

A belga Aviapartner compra operadora de handling Groundforce

Groundforce_2

«A TAP já escolheu o comprador para a Groundforce. De acordo com um pedido de autorização de venda enviado ao Governo, a transportadora aérea vai alienar 50,1% da operadora de handling à Aviapartner por três milhões de euros. Um valor que equivale a apenas 10% do preço que pagou, em 2008, pela mesma participação, quando os espanhóis da Globalia venderam aquela posição na empresa.
Na carta, a que o PÚBLICO teve acesso, o presidente da TAP pede aos ministros das Finanças e da Economia e Emprego, Vítor Gaspar e Álvaro Santos Pereira, “autorização para a venda da participação social” que o grupo detém na Groundforce. Fernando Pinto (foto em baixo) pede “a máxima brevidade possível” e explica os pressupostos do negócio, que consistirá num “pagamento inicial de três milhões de euros” equivalente à “aquisição dos 50,1%” de acções detidos pela transportadora e actualmente parqueados na sociedade Europartners.
A Aviapartner terá “opção de compra dos restantes 49,9% a um múltiplo do Ebitda [resultados antes de juros, impostos, depreciações e amortizações] da sociedade reestruturada em 2015 ou 2016”, lê-se no documento. E, se esta premissa se concretizar, colocando nas mãos do grupo belga a totalidade do capital da operadora, a TAP estima ganhos superiores a 55 milhões de euros, “com payout [reembolso] já durante o quarto ano”.
A TAP confirmou o envio da carta, mas não respondeu às questões relacionadas com a escolha do comprador e o preço acordado. Referiu que a desvalorização da Groundforce face ao valor que pagou, em 2008, é um “pressuposto que não tem qualquer espécie de fundamento”, aludindo aos impactos de 55 milhões que estão previstos, mas que podem vir a sofrer uma revisão, caso a Aviapartner não compre o restante capital.

Venda tem de avançar já
Na carta, enviada a 7 de Setembro, o gestor brasileiro expõe os argumentos para que seja dada luz verde ao negócio. Um deles está relacionado com o facto de a Autoridade da Concorrência ter impedido a TAP de controlar a totalidade do capital da operadora de handling.
Uma decisão que surgiu na sequência da saída da Globalia, em 2008, e do parqueamento temporário da participação maioritária junto de três bancos, num negócio que custou 30 milhões de euros à transportadora aérea. Fernando Pinto diz, inclusivamente, que o prazo imposto pelo regulador para fechar a venda “termina no próximo dia 19 de Novembro”, tendo já sido “prorrogado duas vezes”.

Licença em risco
Há ainda outro factor a pressionar o negócio, que foi assessorado pelo BIG. O prazo para concorrer às licenças de assistência em terra nos aeroportos de Lisboa e Porto termina a 31 de Outubro. E, nas actuais condições, a Groundforce não se pode candidatar, porque é obrigatório que a maioria do capital seja privado e que tenha um rácio de 15% de capitais próprios positivos.
“A não obtenção de uma nova licença implicará a impossibilidade de a empresa desenvolver a sua actividade e perder-se-ão directamente dois mil e trezentos postos de trabalho, ficando, além disso, paralisada toda a operação da TAP”, escreve Fernando Pinto, acrescentando que, se a Groundforce não ganhar o concurso, “terá de encerrar as portas”. A obtenção da licença é, aliás, a condição para que a venda fique concluída.
Na carta, o gestor avança que houve três “propostas firmes” para aquisição da operadora. Além da Aviapartner, também a Swissport e a Bavaria (duas empresas do sector) estiveram na corrida. Fernando Pinto justifica a escolha do grupo belga com o facto de ter sido a oferta “mais vantajosa”. E explica que “a TAP está a finalizar as negociações para a venda das referidas acções (…) de forma a alterar a estrutura accionista antes da apresentação da proposta ao concurso”.
O negócio deverá estar para breve, uma vez que a Aviapartner já está a negociar com os sindicatos ligados à assistência em terra uma eventual revisão do actual acordo de empresa assinado com a TAP. Os belgas querem aumentar a flexibilidade laboral, incentivando, nomeadamente, uma maior rotação dentro das várias funções que existem na Groundforce.
Como contrapartida pela compra, a transportadora, que é a principal cliente da operadora de handling, compromete-se a participar nos custos de reestruturação da empresa, que “passará pela cisão da actual sociedade em quatro novas”, correspondentes às bases que detém no país (Lisboa, Porto e Madeira) e ao negócio da carga, que ainda poderá ser revendido à Urbanos. Além disso, ficou acordado que a TAP vai renovar o contrato com a Groundforce por mais “cinco anos”, em troca de “uma descida nos preços praticados na ordem dos 5% ao ano no aeroporto de Lisboa”, em 2013 e 2014, lê-se na carta.»

Raquel Almeida Correia, artigo publicado no jornal “Público
(14 Outubro 2011)

 

Artigos relacionados

Mais em Notícias (779º de 779 artigos)

«O conglomerado chinês HNA anunciou num comunicado ao mercado bolsista de Xangai, a venda da participação de 9% que detinha indiretamente na TAP através da Atlantic Gateway ...