pista73.com

conteúdos de aviação comercial

Inicio

Notícias

Aviação nacional perdeu 408 milhões de euros de receitas no espaço de um ano

Investimento caiu 52,5 por cento

«O sector, onde operam empresas como a TAP e a ANA, cortou pela primeira vez no emprego e no investimento em 2009, fruto de uma redução significativa nas vendas.
De acordo com um relatório divulgado pelo Instituto Nacional da Aviação Civil (INAC), o volume de negócios da aviação caiu 9,1 por cento entre 2008 e 2009, passando de 4445 para 4037 milhões de euros, o que significou uma perda de receitas na ordem dos 408 milhões.
As maiores quedas foram sentidas nos segmentos da aviação civil e da assistência em escala, que viram as vendas cair 13,4 e 12,4 por cento, respectivamente. Já o negócio do trabalho aéreo, das organizações de formação, dos aeroportos e dos aeródromos obteve melhores resultados.
Ainda assim, estas subidas não compensaram a quebra generalizada na indústria, que teve repercussões ao nível do emprego, que assistiu ao primeiro abrandamento desde 2003, ano em que o regulador começou a recolher dados estatísticos sobre a indústria.
Emprego recuou pela primeira vez.
Desde essa altura, o número de postos de trabalho na aviação tinha vindo a crescer a um ritmo forte, tendo passado de 18.444 para 20.619 trabalhadores, em cinco anos. Em 2009, a tendência foi pela primeira vez de recuo, passando o sector a empregar 20.566 pessoas, o que significou uma descida de 1,7 por cento.
Foi na área da aviação executiva que o emprego mais caiu (5,1 por cento), seguindo-se a da navegação aérea (3,2), controlada pela empresa estatal NAV, e a da assistência em escala, segmento em que opera, por exemplo, a Groundforce, que anunciou no ano passado o encerramento da operação em Faro, onde trabalhavam 336 pessoas.
Além dos postos de trabalho, as empresas também se viram obrigadas a cortar drasticamente no investimento. Desde 2003 que esta rubrica apresentava crescimentos expressivos, tendo-se fixado nos 684,4 milhões de euros, em 2008. No ano seguinte, o montante despendido pelas empresas da aviação caiu para 325,2 milhões de euros, registando uma descida de 52,5 por cento.
Quebra da procura não impediu lucros
A contenção nos custos foi imposta pela quebra do volume de negócios, intimamente relacionada com a redução da procura que se fez sentir em 2009. De acordo com os dados do INAC, os movimentos de aviões diminuíram sete por cento ao longo do ano e o número de passageiros transportados caiu três por cento.
Apesar de ter sido um ano de menor actividade para o sector, o relatório destaca que se verificou uma “melhoria da rendibilidade”, em termos do desempenho operacional e financeiro das principais empresas.
O valor acrescentado bruto (VAB) da aviação subiu 21 por cento, em 2009. E o resultado líquido saiu do vermelho, passando de prejuízos de 122,2 para lucros globais de 120,7 milhões de euros.
Uma tendência impulsionada, em grande parte, pelo transporte e pelo trabalho aéreo, que apresentaram as maiores recuperações. Já a aviação executiva consagrou-se como o segmento em contraciclo, registando piores resultados em termos de valor acrescentado e resultado líquido.»

Raquel Almeida Correia, artigo publicado no jornal “Público”
(4 Janeiro 2011)

INAC  Anuário da Aviação Civil 2009

Artigos relacionados

Mais em Notícias (779º de 779 artigos)

«A desvalorização do metical face ao dólar fez com que os resultados da estatal Aeroportos de Moçambique em 2015 se tenham agravado 300% para um prejuízo de 38,5 milhões de dólares, de acordo com o ...