pista73.com

conteúdos de aviação comercial

Inicio

Notícias

Brasil – Governo quer ouvir mais operadoras de aeroportos

Galeão (RJ) e Confins (Grande BH).
Infraero aeroportos

«A presidente Dilma pediu à sua equipe para conversar com pelo menos mais quatro grandes operadoras de aeroportos antes de tomar uma decisão final sobre o modelo de administração a ser adotado no Galeão (RJ) e em Confins (Grande BH).
Entre elas está a Changi, que administra o aeroporto de Singapura. Podem entrar na lista a ADC (Houston), AENA (Madrid) e Flughafen Munch (Munique). Todas com experiência em aeroportos de pelo menos 35 milhões de passageiros por ano.
As primeiras conversas não foram animadoras. Apenas uma das quatro operadoras consultadas, a espanhola BBA/Ferrovial (aeroporto de Heathrow, Londres), se manifestou interessada num projeto em que ficaria minoritária numa subsidiária da Infraero para administrar Galeão e Confins.
Segundo a Folha apurou, as outras três deixaram claro preferir modelo em que sejam majoritárias no negócio: ADP-Aéroport de Paris (Charles de Gaulle), Schiphol (Amsterdã) e Fraport (Frankfurt).
As reuniões foram realizadas na semana passada na Europa com missões chefiadas pelos ministros Gleisi Hoffmann (Casa Civil) e Wagner Bittencourt (Aviação Civil).
A presidente pediu mudanças no modelo a ser adotado no Galeão e em Confins em relação ao adotado em Guarulhos, Viracopos e Brasília, nos quais a Infraero ficou minoritária (49%).
No modelo preferido por Dilma, o governo escolheria um sócio minoritário para a Infraero em sua nova subsidiária, a Infrapar, que seria responsável por Galeão e Confins e ficaria também com as participações minoritárias da estatal nos três aeroportos privatizados no início do ano.
Para convencer as grandes operadoras, o governo oferece ao futuro sócio da Infraero total liberdade para administrar os dois aeroportos.
Nesse novo modelo, a presidente exigiu que seja escolhida operadora com experiência em aeroportos com movimento acima de 35 milhões de passageiros.
Nos leilões de Guarulhos, Viracopos e Brasília, esse número foi fixado em 5 milhões de passageiros por ano, o que permitiu a vitória de operadoras de menor porte, desagradando a presidente.
Ontem, a ministra Gleisi Hoffmann negou que o modelo de concessão não entusiasme o investidor europeu.
“O que percebi é que as pessoas têm muito interesse no Brasil, em investir no Brasil. Nós estamos com as informações e as considerações que eles fizeram, vamos usá-las como subsídio.”
A decisão deve ser tomada depois dos contatos do ministro Wagner Bittencourt com as outras operadoras. Sua assessoria confirmou ontem apenas os encontros da semana passada.
E admitiu que serão realizadas conversas com representantes de outras operadoras estrangeiras, citando apenas a Changi.»

Valdo Cruz e Júlia Borba, artigo publicado na página de internet “Folha de S-Paulo
(5 Setembro 2012)

Artigos relacionados

Mais em Notícias (779º de 779 artigos)

O Aeroporto Internacional de Brasília vai iniciar, a partir de novembro, a operação independente de duas pistas, viabilizando as chamadas operações paralelas simultâneas independentes, quando dois aviões ...