pista73.com

conteúdos de aviação comercial

Inicio

Notícias

Cabo Verde – Cluster do Aero-negócios terá epicentro na ilha do Sal

Cabo_Verde

«O Cluster do Aero-negócios deverá ter o seu epicentro na ilha do Sal, disse a ministra das Infra-estruturas e Economia Marítima durante a sessão pública de apresentação do programa dos diferentes clusters desenhados para o país. Para Sara Lopes, é na ilha do Aeroporto Internacional Amílcar Cabral onde estão reunidas todas as condições para estimular negócios, atrair investimentos e provocar o crescimento económico à volta deste sector.
Tal como São Vicente, o ponto principal do Cluster do Mar, a ilha do Sal será a base de negócios aéreos e, assim, vai gerar oportunidades também noutros pontos do país. “Temos aqui a principal infra-estrutura aeroportuária do país, a única sem quaisquer constrangimentos e que pode receber qualquer tipo de aeronave. Temos condições para trabalharmos a partir do Sal, um hub aéreo em Cabo Verde : o centro de controlo de tráfego aéreo e toda uma vivência cultural e de desenvolvimento de uma sociedade, conjuntamente com a actividade da aviação civil”, enumera Sara Lopes.
Embora o processo esteja a correr a bom ritmo, a governante avisa que o cluster vai levar algum tempo para se efectivar. “Num período de três anos devemos tornar, a nível público, um conjunto de medidas incentivadoras e facilitadoras do ambiente de negócios. Estamos desde o ano passado a procurar parceiros económicos e investidores na China, Singapura e Japão. É um trabalho que leva tempo, exige paciência e muita coordenação. É aqui que nós temos o maior desafio”. O que se pretende é identificar todos os investimentos já feitos e todas as oportunidades de negócios correlatas à actividade de aviação civil e transportes aéreos.
Por agora, muitas oportunidades já estão identificadas: “Há possibilidade de num período de cinco anos duplicar o tráfego aéreo nacional. Isso significa que temos de tomar algumas medidas em termos de incentivos para as pessoas viajarem mais e utilizar mais os transportes aéreos. Para desenvolver o hub aéreo teremos de trabalhar todos os factores que possam incrementar o fluxo de pessoas e carga de e para Cabo Verde”. Além disso, está identificada a oportunidade de desenvolver a aviação recreativa: “Temos infra-estruturas aeroportuárias com boas condições de navegabilidade mas recebem apenas cinco ou menos voos por semana”.
O domínio da formação é outra área que poderá ser explorada. “Temos já uma cultura aeronáutica bastante acentuada em Cabo Verde, com muita capacidade reconhecida lá fora, as nossas instituições estão todas certificadas, são reconhecidas a nível regional e internacional. Podemos aqui desenvolver a capacidade de formação não só para os PALOPS, CPLP e nossa sub-região, mas também em parceira com empresas globais que possam pretender a partir de Cabo Verde gerar competências e conhecimento. Queremos desenvolver escolas de pilotagem, é possível prestar serviços de manutenção e revisão, etc. São domínios de negócios que estamos a identificar. O governo deverá criar as facilidades e as condições de “doing business” para que estas actividades económicas se desenvolvam”, acreditaa Ministra.
Porém, realça Sara Lopes, quem deverá construir estes clusters deve ser o próprio sector privado. “O Estado está aberto e estamos a discutir neste momento o modelo de gestão das infra-estruturas produtivas para vermos se abrimos ao sector privado alguns domínios da gestão portuária e aeroportuária. Assim, poderemos criar melhores condições para que haja negócios nestes sectores”, garante.»

artigo publicado na página de internet “A Semana”
(27 Fevereiro 2013)

Artigos relacionados

Mais em Notícias (779º de 779 artigos)

«A Etihad Airways recebeu hoje a aprovação do Gabinete Federal de Aviação Civil da Suíça (Federal Office of Civil Aviation – FOCA) para o investimento de 33,3% na companhia aérea regional ...