pista73.com

conteúdos de aviação comercial

Inicio

Notícias

INAC lança concurso para substituir base da Groundforce em Faro

Operação da empresa da TAP encerrou em Fevereiro

«Regulamento do concurso público para selecionar novo operador de handling para a escala algarvia está em consulta pública até 13 de Maio.
O Instituto Nacional da Aviação Civil (INAC) está prestes a lançar o concurso para substituir a escala da Groundforce em Faro, que foi encerrada em Fevereiro, deixando perto de 300 pessoas sem emprego.
O regulamento do concurso, que foi ontem colocado em consulta pública, exige aos candidatos capacidade técnica e financeira para assegurar a operação. Tendo em conta os prazos definidos pelo regulador, o processo não deverá estar finalizado antes de Julho.
As entidades interessadas têm até 13 de Maio para enviar comentários ao regulamento do concurso, refere o site do INAC. Posteriormente, o regulador decidirá se incorpora as sugestões de terceiros e, por fim, lançará o concurso.
O prazo das candidaturas termina ao final “do trigésimo sétimo dia útil seguinte à data do envio para publicação no Jornal Oficial da União Europeia”, o que significa que, até à fase de selecção de propostas, deverão passar mais de dois meses.
O regulamento prevê que os candidatos cumpram requisitos mínimos de capacidade técnica para assistir o fluxo de voos do aeroporto de Faro. Além disso, refere que só serão apuradas empresas viáveis, exigindo uma “autonomia financeira igual ou superior a 15 por cento” e que tenham um “capital próprio superior a metade do capital social”. Cada candidato só poderá apresentar uma proposta, sendo que os factores de avaliação com mais peso são a adequação dos meios materiais e humanos, representando 60 por cento da avaliação final, refere o regulamento. E o júri do concurso será constituído por cinco membros, todos funcionários do INAC.
A abertura deste concurso tornou-se obrigatória com o encerramento da escala da Groundforce em Faro. Esta operadora de handling, controlada pela TAP, decidiu fechar a operação, alegando que não tinha viabilidade financeira.
Mais de 300 pessoas ficaram sem emprego e, por agora, o serviço passou para as mãos da principal concorrente, a Portway – detida pela gestora aeroportuária ANA.»

Raquel Almeida Correia, artigo publicado no jornal “Público”
(28 Abril 2011)

Boletim Estatístico Trimestral n.º 8 (Out – Dez 10)

 

 

Artigos relacionados

Mais em Notícias (779º de 779 artigos)

«O ‘Económico’ apurou que a ANAC – Autoridade Nacional da Aviação Civil atribuiu ao consócio liderado pelo Grupo Barraqueiro duas licenças para a operação do terminais de bagagem ...