pista73.com

conteúdos de aviação comercial

Inicio

Notícias

Portugal – privatizações da TAP e ANA

ANA Aeroportos

«O Estado escolheu o BESI, o Citigroup, o Credit Suisse e o Barclays para o assessorar nas privatizações da TAP e da ANA, soube o Negócios. A articulação das duas privatizações do sector da aviação conduziu a que o Estado escolhesse mais duas instituições financeiras do que o inicialmente previsto para o assessorar nestas operações, segundo apurou o Negócios.
O primeiro nome a surgir foi o BESI, como noticiou o Dinheiro Vivo. Na edição de hoje, o Diário Económico detalhava que o Credit Suisse iria juntar-se ao banco de investimento do BES. Quanto à assessoria jurídica, o “DE”, avançava com o nome de Morais Leitão, Galvão Teles, Soares da Silva & Associado, enquanto do “Dinheiro Vivo” noticiou que a escolha teria sido a PLMJ.
Até agora, nem o Ministério das Finanças que está a liderar o processo de privatizações, nem a tutela das duas empresas, o ministério da Economia, se pronunciaram sobre a matéria.
Quanto aos interessados, como o Negócios noticiou esta semana, as duas gigantes da aviação alemã estão a posicionar-se para concorrerem em conjunto às privatizações da TAP e da ANA. A Lufthansa (aviação) e a Fraport (aeroportos) já iniciaram contactos para avaliar a possibilidade de se candidatarem, em sintonia, a estas duas privatizações, soube o Negócios. Este cenário encaixa na vontade do Governo em vender as duas companhias portuguesas a empresas do mesmo país.
No entanto, o Grupo IAG, que alia a British Airways e a Iberia, foi o primeiro a garantir oficialmente que iria olhar para a privatização da TAP.
Quanto à ANA, a Brisa aliou-se aos brasileiros da CCR para concorrem à venda da gestora aeroportuária e a Andrade Gutierres também já admitiu o seu interesse. Recorde-se que a privatização da TAP deveria estar concluída até ao final do primeiro semestre, segundo o calendário avançado pelo Governo, seguindo-se a ANA que ocorreria até ao final do ano»

artigo publicado na página de internet “Negócios Online
(18 Maio 2012)

Artigos relacionados

Mais em Notícias (779º de 779 artigos)

«O Grupo Urbanos, que comprou 50,1% da empresa Groundforce, recorreu ao Processo Especial de Revitalização. Dívidas somam 44,2 milhões. Novo Banco e Parvalorem são os maiores credores. ...