pista73.com

conteúdos de aviação comercial

Inicio

Notícias

Sector do handling – Bruxelas ameaça levar Portugal a tribunal por infracções

Portway e Groundforce na mira da UE
Handling

«Comissão Europeia deu dois meses para corrigir situações que diz não respeitarem as regras comunitárias por não permitirem a livre concorrência.
No comunicado divulgado hoje, Bruxelas explica que “poderá recorrer ao Tribunal de Justiça da União Europeia” caso Portugal não apresente “uma resposta satisfatória num prazo de dois meses”.
A Comissão Europeia denuncia que o país não está a cumprir as normas inscritas na directiva, adoptada em 1996, que abriu à concorrência o mercado dos serviços de assistência em escala (handling).
Isto porque, apesar de ter limitado a prestação deste serviço a duas empresas (Portway e Groundforce), situação que é permitida pelas regras comunitárias, a sua selecção “não foi feita de acordo com o disposto na directiva”.
A Comissão Europeia explica que “a existência de uma concorrência efectiva e leal exige que, em caso de limitação do número de prestadores, estes sejam escolhidos mediante um procedimento transparente e imparcial”, o que não terá acontecido.
“Portugal procurou um investidor no capital de um operador existente”, acrescentou (referindo-se à Groundforce, que teve como accionista os espanhóis da Globalia e está agora em fase de alienação), “em vez de lançar um convite à apresentação de propostas”.

Impactos negativos para o sector
Com esta opção, “não foram respeitados certos critérios-chave do procedimento”, frisa Bruxelas. “A consulta das companhias aéreas que utilizam aqueles aeroportos, embora obrigatória, não foi realizada e o prestador seleccionado não o foi por um período máximo de sete anos de acesso ao mercado”, exemplifica.
Além disso, Portugal está em incumprimento porque um dos prestadores designados para fazer a assistência de escala deve ser independente da empresa que explora o aeroporto e da principal transportadora aérea que o serve, o que não acontece em Lisboa e no Porto.
Tanto no aeroporto da Portela, como no Francisco Sá Carneiro, os dois prestadores são “uma filial do gestor de aeroportos e uma filial da principal companhia aérea”, denuncia a Comissão Europeia, fazendo referência à Portway (detida pela gestora aeroportuária estatal ANA) e à Groundforce, controlada pela TAP.
“Os serviços da Comissão Europeia receberam diversas queixas no Verão de 2009, as quais foram instruídas e deram origem a uma troca de correspondência com as autoridades portuguesas, com destaque para uma notificação de Novembro de 2010”, refere o comunicado.
Na sequência desta informação, Bruxelas decidiu dar a Portugal dois meses para corrigir a situação, receando que cause “custos suplementares para as companhias de aviação e uma qualidade de serviço inferior, com possível repercussão nos passageiros e nos transportadores de carga”.»

Raquel Almeida Correia, artigo publicado no jornal “Público”
(19 Maio 2011)

 

    Pings

    Artigos relacionados

    Mais em Notícias (779º de 779 artigos)

    «O Tribunal de Justiça da União Europeia considerou esta quinta-feira que Portugal não cumpriu a legislação respeitante à abertura à livre concorrência da assistência em escala nos aeroportos de ...