pista73.com

conteúdos de aviação comercial

Inicio

Recortes

Fernando Pinto reduziu prejuízos mas ainda não garantiu futuro da TAP

«…TAP continua débil
O plano avançou e a TAP alcançou resultados positivos em 2003, mas depressa sentiu nova turbulência com a escalada do preço do petróleo. E, cinco anos mais tarde, já com a brasileira VEM e a companhia de aviação regional Portugália na carteira, o grupo tombou para um prejuízo-recorde de 285 milhões de euros. O tema da injecção de capital voltou à ordem do dia, mas sem possibilidade de bater novamente à porta do accionista, já que a União Europeia proíbe, desde 1994, auxílios estatais às companhias de aviação.
Os olhos de Fernando Pinto vêem uma empresa que “cresceu muito, mais do que duplicando a sua dimensão, que se renovou e reposicionou estrategicamente”. Em parte, têm razão. Hoje, a TAP tem mais trabalhadores, receitas, passageiros, rotas e aviões.
Porém, foi esmagando os capitais próprios, agora nos 204,6 milhões negativos. E, além de uma privatização por resolver, tem pontas soltas na manutenção e no handling, que dão pelo nome de ex-VEM, onde continua a saga pela redução de custos, e Groundforce, que terá obrigatoriamente de vender, mesmo que com prejuízo.
Só estes dois negócios foram responsáveis por perdas de 40,2 milhões de euros, no primeiro semestre de 2010, o que fez o resultado líquido do grupo derrapar para prejuízos de 79 milhões, também por causa dos estragos causados pela erupção de um vulcão na Islândia. Um número que pode pôr em causa a promessa de regressar aos lucros…»

Raquel Almeida Correia, texto publicado no jornal “Público
(24 Outubro 2010)

Artigos relacionados

Mais em Recortes (29º de 29 artigos)

«A maior companhia aérea da América Latina, a Latam Airlines, registou perdas na ordem dos 92 milhões de dólares no segundo trimestre do ano, depois de um desempenho operacional fraco devido à ...