pista73.com

conteúdos de aviação comercial

Inicio

Tráfego Aéreo, Europa

Navegação aérea – easyJet em Airbus A320neo utiliza a tecnologia de satélite “programa Iris”

A easyJet subiu aos céus como a primeira companhia aérea parceira do inovador programa Iris, uma iniciativa liderada pela Agência Espacial Europeia (ESA) e pela empresa global de comunicações Viasat, que está a utilizar a última geração de tecnologia de satélite para ajudar a modernizar o tráfego aéreo (ATM). O prestador de serviços Iris certificado pela EASA e ESSP, envolveu 15 principais prestadores de serviços de navegação aérea (ANSP) no apoio aos primeiros voos comerciais realizados em toda a Europa, este ano – com a participação de até 11 aeronaves easyJet Airbus A320neo. Esta iniciativa é a primeira na Europa a pôr em prática a iniciativa Céus Únicos Europeus.
Através da utilização do Iris, a easyJet será capaz de operar as suas aeronaves da forma mais eficiente possível, obtendo melhorias no consumo de combustível e reduções de emissões. De forma mais ampla, o programa será um componente-chave para ajudar a modernizar o espaço aéreo em toda a indústria. A modernização do espaço aéreo e os subsequentes ganhos de eficiência são um elemento crucial no caminho da indústria aérea para o carbono zero. Em 2022, a easyJet anunciou a sua meta provisória de redução de carbono com base científica – melhoria de 35% na intensidade das emissões de carbono até ao ano fiscal de 2035, com base no ano fiscal de 2019. Isto surgiu como parte do compromisso da companhia aérea de atingir emissões líquidas zero de carbono até 2050. Uma utilização mais eficiente do espaço aéreo é crucial para a aviação reduzir as emissões, uma vez que é a fonte mais viável de reduções de carbono neste momento. Isto ocorre porque rotas de voo mais diretas levam a tempos de voo mais curtos e, portanto, consomem menos combustível e geram menos emissões. Alcançar isto será fundamental para alcançar a ambição da Investigação ATM do Céu Único Europeu (SESAR) de proporcionar poupanças de 10% nas emissões de carbono da aviação europeia.
O Iris representa uma importante evolução tecnológica, proporcionando comunicações via satélite mais rápidas e confiáveis entre a aeronave e o solo. Isto ajudará os controladores de tráfego aéreo e os pilotos a alcançarem maior eficiência operacional, calculando as rotas mais curtas disponíveis, navegando em altitudes ideais e utilizando trajetórias contínuas de subida e descida.
A ESA liderou e financiou a Iris com o objetivo de apoiar a política europeia sobre os Céus Únicos Europeus através de uma solução que tem cobertura europeia total e é baseada em tecnologias móveis de comunicação por satélite de última geração e altamente seguras. Isto foi realizado pela ESA em plena coordenação com as partes interessadas da aviação europeia, incluindo a Organização da Aviação Civil Internacional (ICAO), para garantir que o Iris esteja totalmente em conformidade com as necessidades e requisitos da aviação europeia e mundial. Para atingir este objetivo, a ESA criou um consórcio industrial europeu de mais de vinte empresas, tendo a Viasat (que recentemente adquiriu a Inmarsat) como contratante principal.
Alimentado pela premiada plataforma de conectividade SwiftBroadband-Safety (SB-S) da Viasat, o Iris abre caminho para comunicações de link de dados multilink – uma pedra angular para a implementação de novas funcionalidades ATM. Oferecido como uma capacidade totalmente desenvolvida e certificada pela Airbus nas aeronaves das séries A320 e A330, o Iris compartilha trajetória e informações operacionais baseadas em intenções, permitindo que as companhias aéreas evitem padrões de espera, calculem as rotas mais curtas disponíveis e altitudes ideais e se beneficiem de subidas e descidas contínuas.

Artigos relacionados

Mais em Europa, Tráfego Aéreo (303º de 973 artigos)

A indústria de aviação europeia concluiu os testes finais da nova solução SESAR, de interoperabilidade terra-terra (IOP), um sistema desenhado para permitir aos 63 centros de controlo de tráfego aéreo do ...