pista73.com

conteúdos de aviação comercial

Inicio

Ground Handling, África, Aeroportos

São Tomé e Príncipe – Queda de aeronave condiciona movimento aéreo no aeroporto internacional

As autoridades são-tomenses comunicaram a várias companhias aéreas, incluindo a TAP, que o tráfego no aeroporto internacional de São Tomé não está condicionado, mas o avião despenhado pode ser um obstáculo à aterragem e descolagem.
«O tráfico não está condicionado, mas por questões de segurança precisamos comunicar aos nossos parceiros e congéneres que existe esta situação», disse a Lusa fonte da Empresa Nacional de Segurança Aérea (ENASA), na sequência da queda de um avião cargueiro russo, que causou cinco feridos.
A aeronave – Antonov 72 – encontra-se mergulhada no final da pista, numa pequena ribanceira com pelo menos três metros, mas segundo técnicos da aviação civil são-tomense «a sua cauda pode constituir uma ameaça para as aeronaves que aterram e levantam voo».
«Por questões de segurança, temos que aliviar a pista onde houve acidente», explicou a fonte dando conta de uma decisão governamental no sentido de «remover o obstáculo», nesse caso «cortar a cauda do avião ou arrastá-lo para bem mais longe da pista».
A decisão saiu esta tarde de uma reunião realizada nas instalações do Instituto Nacional de Aviação Civil com o ministro das Infraestruturas, Recursos Naturais e Ambiente, Carlos Vila Nova, poucas horas depois do acidente com o avião russo.
O diretor geral da Empresa são-tomense de segurança aérea (ENSA), Hélder Paquete, disse aos jornalistas que o acidente ocorreu quando o avião se preparava para descolar no aeroporto internacional de São Tomé.
«O avião estava num processo de descolagem, houve algum problema e o comandante tentou abortar a descolagem e o avião despenhou-se na pista», disse Hélder Paquete.
A reunião entre a ENASA, Aviação Civil e Governo determinou ainda a criação de uma comissão composta por quatro membros para analisar as causas do acidente.
Trata-se de uma comissão autónoma sem prazo definido para apresentar o relatório. Nos próximos dias deverão chegar ao país uma equipa da empresa a que pertence a aeronave para analisarem as caixas negras dos aparelhos.

adaptação do texto publicado na página de internet “A Bola”
(29 Julho 2017)

Artigos relacionados

Mais em Aeroportos, África, Ground Handling (141º de 507 artigos)

«O Aeroporto Internacional de Nacala, na província de Nampula, vai passar à gestão privada, no âmbito da reestruturação da empresa Aeroportos de Moçambique. O programa de reestruturação daquela ...